Anvisa normatiza procedimentos de endoscopia no Brasil

Nova resolução da agência cria padrão de qualidade para os procedimentos da especialidade.

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Novembro de 2015 Edição do Mês

Com informações da assessoria de imprensa da Sobed.


Anvisa normatiza procedimentos de endoscopia no Brasil

A nova resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nº 6, de 1º de março de 2013 e publicada no dia 4 de março, regulamenta as boas práticas do funcionamento dos serviços de saúde públicos e privados de endoscopia, que realizam procedimentos endoscópicos, diagnósticos e intervencionistas.

O texto apresenta, entre outros pontos, as classificações dos serviços de endoscopia, os processos detalhados, como o registro diário dos procedimentos endoscópicos realizados, contendo data e horário do exame, nome do paciente, data de nascimento, sexo, procedimento realizado, nome do profissional que executou o procedimento e identificação do equipamento. Em situações emergenciais, a norma afirma que o serviço de endoscopia deve estar preparado para garantir a estabilização do paciente até que seja possível a sua remoção em condições de segurança ou a sua liberação para o domicílio.

O paciente submetido à endoscopia sob qualquer tipo de sedação ou anestesia só poderá ser liberado na presença de um acompanhante adulto. Os centros de saúde também devem exigir que o paciente com idade inferior a 18 anos e não emancipado, ou que tenha sido considerado legalmente incapaz, esteja acompanhado pelo responsável legal. Todos os materiais, equipamentos, instrumentos e medicamentos que são utilizados em endoscopias estão regulamentados, bem como os ambientes necessários para as realizações dos exames.

Para a Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (Sobed), a resolução é uma vitória tanto para a população, como para a endoscopia do país. "A norma começou a ser formulada em 2009. Estamos há cinco anos nesta luta. A resolução regulamenta todos os pontos de funcionamento da endoscopia digestiva, cria um padrão de qualidade que todos os centros terão que seguir. Quem ganha é a população que terá maior segurança em procedimentos endoscópicos", afirma o endoscopista Flávio Hayato Ejima, membro da SOBED e um dos elaboradores da resolução.

"Vale destacar as normas referentes ao processamento de equipamentos e acessórios. Deve ser elaborado Procedimento Operacional Padrão (POP) no qual sejam detalhadas todas as etapas do processamento de equipamentos e acessórios utilizados nos procedimentos endoscópicos, respeitando a legislação referente ao uso dos agentes saneantes e as orientações contidas nos manuais de processamento, seja de limpeza, esterilização, acondicionamento, manuseio e conservação", completa Ejima.

Os estabelecimentos têm prazo de 3 a 12 meses, dependendo da adequação, para promover as adaptações necessárias. Os novos serviços de endoscopia e aqueles que pretendem reiniciar suas atividades devem atender integralmente às exigências, previamente ao início de seu funcionamento.

Confira a resolução na íntegra aqui.

Notícias Relacionadas